Seja bem-vindo. Hoje é

O mistério da caveira de cristal - mistérios que a ciência luta para explicar.

Postado por Dymonte Em 3 de setembro de 2010 5 comentários
São muitos os mistérios que envolvem a caveira de cristal. Esta peça foi descoberta por F. A. Mitchell-Hedges no ano de 1924 na cidade Maia em Belize (Honduras Britânicas).
Naquele ano, o explorador realizou uma expedição ao coração de Belize com a intenção - segundo o relato da sua filha adotiva, Arma - de encontrar evidências arqueológicas da Atlântida perdida.
Com a ajuda dos nativos ele chegou até umas ruínas Maias, completamente escondidas pela vegetação. Assim que a eliminaram com fogo, surgiu uma enorme cidade com muitos edifícios. Arma afirma que no dia de seu 17º aniversário, enquanto caminhava pelas ruínas, algo reflectiu a luz do Sol, atraindo a sua atenção. 
Assim que seu pai voltou da Inglaterra, onde estava arrecadando recursos financeiros para a expedição, Arma mostrou-lhe imediatamente o referido lugar. Após algumas horas levantando pedras pesadas, ajudados pela população local, acharam a parte superior de um crânio de cristal perfeito. Seis semanas mais tarde, numa área diferente, cheia de andares, a mesma equipe de homens descobriu a sua mandíbula. Tratava-se de um objecto fabricado com quartzo transparente, formado por duas peças distintas, com uma mandíbula articulada e do mesmo tamanho que um crânio humano.
Mesmo sendo estudada por especialistas, o mistério continua - ninguém conseguiu duplicar a peça devido a complexidade de sua construção.  Apesar de toda a tecnologia atual, parece que o fabricante da caveira seguiu a natureza do quartzo, e que deu forma ao cristal completamente ao contrário. Assim mesmo, a caveira parecia dispor de um elaborado sistema interno de lentes e prismas, devido a forma que reflectia e refractava a luz quando esta passava através dela.
 O cristal de quartzo não apresenta tais propriedades no estado natural. E ainda que muitos escultores contemporâneos afirmassem poder duplicar a forma externa da caveira de cristal de Mitchell-Hedges, ninguém produziu uma peça que produza o estranho fenómeno que é observado na peça original.
Alguém se habilita?!!!

PARA SABER MAIS:

O Mistério das Caveiras de Cristal

A lenda das caveiras de cristal





5 comentários:

Leila disse...

Eu já tinha visto uma foto dessa caveira, mas não conhecia a história. Super curioso.

Blog da Comunicação disse...

Os maias tinham uma cultura fascinante, cheia de mistério. Talvez só Indiana Jones possa nos revelar este mito. Abraços.

Ulysses disse...

Segundo os cientistas, as caveiras foram confeccionadas, provavelmente, entre os séculos 19 e 20, utilizando técnicas modernas. Além disso, o cristal utilizado pode ser brasileiro. Um dos crânios continua exposto no Museu Britânico, já o outro saiu da mostra do Instituto Smithsonian de Washingnton.

As suspeitas a respeito da possível fraude em relação aos crânios recaem sobre um comerciante francês do século 19, chamado Eugene Boban, especializado em artefatos pré-colombianos, que teria negociado outras caveiras igualmente falsas.

A farsa foi revelada depois que os cientistas analisaram detalhadamente as duas peças e perceberam indícios de que o crânio fora esculpido com o uso de ferramentas específicas que não existiam na era pré-colombiana. O cristal usado também, provavelmente, não existia no México e teria saído de jazidas brasileiras.

AFF, sempre tem site querendo divulgar o que não existe.
Ou quer achar conspiração, ou mistério em tudo.

Priscila disse...

Uau! Essas histórias são fascinantes!
Ao vivo deve ser magnífica! *o*

Darcy Mendes disse...

Puxa!! Muito interessante saber que pode ter ligação com o Brasil!!

Postar um comentário

Seu comentário será moderado, e postado se não violar as regras abaixo:

-Faça comentários relativos ao assunto abordado.
-Pedidos de parcerias e anúncios use o formulário de contato.
-Não faça calunias, difamações, menos ainda citações preconceituosas.
-Só inclua links que estejam de acordo com o assunto
-Não faça spam!

Participar deste site

Links amigos